Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

"Os Meninos que Enganavam os Nazis" de Joseph Joffo

Pegar num livro e saber de antemão que o vou ler em três tempos constitui uma sensação deliciosa! Foi isso que senti quando vi este livro pela primeira vez: uma aposta segura! E, na verdade, assim foi.

Primeiro, a história verídica, contada pelo autor, lembrando os seus 10 anos. Uma autobiografia que nos transporta para uma época onde o horror vivia paredes meias com o amor e a coragem. Depois, a época onde tudo isso aconteceu: II Guerra Mundial, França. 

Misturar estes dois factores é, para mim, sentir-me presa de imediato. Tentar viver a história quando a leio só é possível se a escrita do autor se revela magnífica. Os factos, esses, já imaginava que assim o seriam. Mas a forma como são relatados podem significar a diferença entre um livro lido ou um livro vivido. E esta obra foi, efectivamente, uma obra vivida. Senti que acompanhava o autor nas suas fugas, senti um pouquinho do medo que ele sentiu e senti medo por ele também, muito embora o facto de estar a ler o livro significasse que ele tinha conseguido escapar ao terror nazi.

Pode parecer um pouco estranho, depois de se ler a sinopse, que dois irmãos de 10 e 12 anos se tivessem separado dos pais aquando da ocupação de Paris e tentado fugir para a zona francesa que ainda estava livre, mas naquela época, e em muitos outos casos, foi uma forma encontrada para que a sobrevivência tivesse lugar. Juntos, a família poderia não sobreviver. Separados poderiam ter sucesso. Tiveram sorte. Quase.

Finda a história, um posfácio escrito em 1992 (saiu a primeira edição em1973), relatando um pouco do que foi o seu percurso depois de ter escrito este livro, das dúvidas suscitadas pelos seus leitores, do que entende ser "judeu" e de como foi fácil para muitos ser anti-semita naquela época, arranjar bodes espiatórios para os problemas de então. Esclarecedor. Gostei muito de "ouvir" o autor, tanto quanto gostaria de conhecer a sua história do pós guerra, contada no seu livro "Baby-foot". Saber que não se ficou só por este livro despertou a minha curiosidade! Espero que a Editorial Presença não se fique por aqui...

Muito bom! Recomendo!

Terminado em 22 de Dezembro de 2017

Estrelas: 5*

Sinopse
1941, Paris é uma cidade ocupada pelos exércitos nazis. O poder de Hitler controla a França; as perseguições e o medo pairam por todo o país. Joffo, um respeitado barbeiro judeu, decide dispersar a sua família de forma a evitar o destino cruel que os espera a todos. Depois da fuga dos filhos mais velhos, perante o perigo sempre à espreita, Joseph, de apenas dez anos, e Maurice, de doze, deixam também a capital, entregues a si próprios, para tentarem escapar à brutalidade e à morte. Uma impressionante história autobiográfica, narrada pelo irmão mais novo, cuja espontaneidade, ternura e humor comprovam o triunfo da amizade, da generosidade, do espírito de entreajuda.


Para mais informações sobre este livro, aceda ao site da editorial Presença aqui.

Cris

Sem comentários:

Enviar um comentário