Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 30 de março de 2016

"A Elizabeth Desapareceu" de Emma Healey

Há livros que nos deixam abalados, sabendo que o sorriso que deixámos escapar quando o estivemos a ler poder-se-ia ter transformado em gargalhadas múltiplas se o assunto tratado não fosse demasiado sério, demasiado real e de uma inquietude que permanece em nós durante toda a leitura.

A Elizabeth Desapareceu é o primeiro romance desta autora. Não parece. Pela voz de Maud, uma senhora idosa, sentimos o seu desespero ao esquecer-se sistematicamente das coisas, do que quer fazer. A confusão reina no seu reino interior e isso transparece para aqueles que lhe são ou estão próximos. Quem a levará a sério se nem ela se entende?

De uma crueza extrema, Emma Healey traduz uma realidade que nos inquieta muitíssimo porque entramos para o "interior" dos pensamentos de Maud. É assustador apercebermo-nos do desenrolar de uma doença e da sua rápida progressão. Maud socorre-se de pequenas notas, lembretes que desesperadamente escreve para ajudar a sua memória. É neles que escreve muitas vezes que a sua velha amiga Elizabeth desapareceu. Elizabeth é sua amiga ga, sua companheira de solidão.

A sua memória foge muitas vezes para o seu passado enquanto criança e para o mistério que envolveu o desaparecimento da sua irmã mais velha. E as páginas vão passando por nós, leitores, entre o passado, que Maud vive como presente, e o presente, que cada vez mais Maud confunde com o passado. O mistério é uma constante. A angústia perante a doença também acompanha constantemente o leitor. E o sorriso nos nossos lábios, pese embora saibamos que o assunto é sério demais para rir.

Adorei! Nota máxima!

Terminado em 26 de Março de 2016

Estrelas: 6*

Sinopse

Um mistério, um crime não resolvido e uma personagem inesquecível: Maud.
Maud está convencida de que a amiga desapareceu, mas ninguém acredita nela. Tem cerca de 80 anos e o seu contacto com a realidade não é o mesmo de outros tempos. Existem pedaços de papel por toda a casa: listas de compras e de receitas, números de telefone, notas sobre coisas que aconteceram. É a memória em papel que impede Maud de esquecer as coisas. De repente, nas mãos de Maud encontra-se uma nota com uma mensagem simples: «Elizabeth desapareceu.». É a sua letra, mas não se recorda de a ter escrito. O que aconteceu?
Maud está certa de que a amiga corre perigo.

Sem comentários:

Enviar um comentário