Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

"O Paraíso Segundo Lars D." de João Tordo

Depois de acabar de ler há poucos dias O Luto de Elias Gro e sabendo que este era o segundo desta trilogia não quis deixar passar muito tempo e peguei neste "Paraíso".

Nunca sei o que dizer quando acho que o livro não chegou até mim... A obra está bem escrita, não tivesse ela por detrás a mão de João Tordo, um autor que gosto e admiro pelas reviravoltas que consegue efetuar no decurso das suas histórias e pela sua escrita segura e clara. No entando, fui cometida por uma tristeza que não sei explicar, uma melancolia que me roubou a esperança de um final aprazivel que espero sempre quando leio freneticamente qualquer livro. Mesmo quando o final é triste, porque muitas vezes ele é semelhante à vida, eu mantenho a esperança até ao fim, a esperança que algo mude e que o terminus da leitura não seja como eu temia. E essa esperança, esse querer ler depressa, faz-me devorar as suas páginas. Ora neste livro, senti seguramente que fui dominada por uma melancolia, uma tristeza que acompanhou também os personagens durante o todo o livro e que o final da história seria um pouco mais do mesmo: triste e sem esperança.

Sinto que precisaria de ler de novo este livro. Para buscar nele a esperança que procuro sempre numa leitura mesmo quando a história é triste.

Ufa! Que confusão! É assim mesmo que me sinto. Não sabendo explicar melhor, fico por aqui. Vou ler, mal seja editado, o terceiro livro do trilogia para desfazer estes sentimentos. Até porque gostei muito da ideia deste livro nos contar a história do (suposto) autor de O Luto de Elias Gro...

Terminado em 1 de Fevereiro de 2016

Estrelas: 4*

Sinopse

Numa manhã de Inverno, Lars sai de casa e encontra uma jovem a dormir no seu carro. Ele é um escritor sexagenário e, poucas horas mais tarde, parte em viagem com a jovem deixando para trás um casamento de uma vida inteira e um romance inédito: O luto de Elias Gro.

Sem comentários:

Enviar um comentário