Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

domingo, 21 de fevereiro de 2016

A Domingo com... Isabel Stilwell

Escrevo para compreender o que sinto, para arrumar as ideias, para dar notícias e fazer os outros felizes, ou para os chamar para as minhas fileiras e pedir-lhes que se indignem com o que me indigna, e ajudem, comigo, a pôr o mundo mais direito. E escrevo, claro, para contar histórias, na esperança de que os outros as partilhem comigo e assim lhes deem sentido. Esperem, há mais razões pelas quais dedilho mais ou menos compulsivamente o teclado deste computador: quero perguntar aos outros o que pensam, pedir-lhes que dividam comigo experiências e aventuras. 

O que importa é que não consigo viver sem escrever. Até para o meu sagrado banho de imersão diário arrasto um caderno e uma caneta. Quando olho de novo para aquelas páginas, com a tinta esborratada por um pingo de água ou porque na tentativa de ligar a água quente com o pé acabei por mergulhar uma página na banheira, penso que se um dia caírem nas mãos de alguém, daqui a muitos, muitos anos, pensarão que estava com Parkinson, de tal forma a letra é tremida (de encavalitar o caderno num joelho), e que imaginarão que chorava copiosamente... 

Escrevo, também (apanhei-me a mim mesma no parágrafo anterior), na busca de eternidade. Num devaneio narcísico que nos leva sempre a imaginar que a nossa vida pode interessar a alguém. 

Não admira, por tudo isto, que me considere uma pessoa cheia de sorte. Sou jornalista desde os 18 anos, “escritora” desde que publiquei aos 30 o meu primeiro livro (Guia Para Ficar a Saber Ainda Menos Sobre as Mulheres), e desde aí muitos mais: livros para adolescentes e livros para crianças, com o bónus acrescido de os escrever a meias com os meus filhos, livros sobre psiquiatras que acabam loucos, e romances de amor, que nunca seria capaz de escrever, livros para os avós lerem aos netos, e até o diário de uma avó galinha. E, paralelamente a tudo isto, descobri que era capaz de escrever um romance histórico — e com o primeiro de todos eles, Filipa de Lencastre, viciei-me na pesquisa e na descoberta da vida das nossas rainhas, biografando algumas das mais fascinantes. A cereja em cima do bolo é que há ainda muitas mais que me enchem de curiosidade... Tenho sorte, sem sombra de dúvida, e estou muito grata a quem me lê. Porque escrever é bom, mas saber que vamos partilhar o que escrevemos com os outros, é ainda melhor. 

Isabel Stilwell

1 comentário: