Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

"Uma Vida à Sua Frente" de Romain Gary

Ainda não consegui completar a listagem dos livros que possuo e este encontrava-se perdido nas minhas estantes. Depois de vê-lo em vários tops de "Os melhores livros" que no principio do ano abundam na Net, coloquei-o numa lista para o comprar. E qual não foi o meu espanto quando, numa das minhas conquistas de espaço, encontrei esta preciosidade! Por mais que tentem imaginar como será ler este livro, ao olharem para sinopse e para a capa, não vão conseguir ter uma ideia do seu conteúdo!

Primeiro estranhei um pouco. Foi a escrita do autor a causa dessa estranheza. É pelas mãos de Mohammed (Momo) que o autor nos conta esta história maravilhosa. Mas fá-lo com um discurso corrido, coloquial, onde as expressões muitas vezes não possuem um significado literal e foi isso que me fez estranhar no princípio. Mas é uma escrita muito bonita, plena de significado, contada por um menino árabe que num misto de inocência e sabedoria transporta-nos para o seu mundo.

O seu amor pela Madame Rosa, uma judia sobrevivente de Auschwitz, antiga prostituta que recebe em sua casa "filhos de putas" ajudando-os a criar, é algo de único. O amor que ele recebe em troca torna-se, durante anos, o mais parecido com um amor de mãe que Momo terá.

Com uma ironia plena, uma inocência cativante e uma sabedoria que só alguém que já viveu e sofreu bastante consegue transmitir, Momo seduz o leitor com armas lentas mas arrabatadoras. Vai-nos apresentando os restantes personagens, ao contar-nos o seu dia-a-dia, quase todos moradores num prédio onde a inter-ajuda, de quem tem pouco e dá muito, é uma constante. Os restantes personagens, quase todos moradores no prédio onde Momo vive, pertencem a extratos sociais baixos, muitos clandestinos, e o prédio é um perfeito arco-iris devido às etnias ali existentes.

A saúde cada vez mais frágil de Madame Rosa faz com que Momo desdobre-se em amor e cuidados para aquela que considera sua mãe de coração. Corajoso e destemido pretende encontrar alguém que no futuro substitua Madame Rosa mas, ao mesmo tempo, inocente e verdadeiro Momo representa todas as crianças que têm medo de perder a sua mãe e o seu amor.
Os temas abordados são incómodos para quem pretende uma leitura fácil: a velhice e como ela é desrespeitada pela sociedade, a eutanásia e como o prolongamento da vida pode ser cruel e penoso, a prostituição e quem mais ganha com ela... De tudo isto nos fala Momo no alto dos seus vividos 10 anos (ou serão 14?) de uma forma inocente, quase poética, mas com um realismo que muitas vezes incomoda.

Descobrir que tem mais anos do que pensava e o porquê desse erro foi para Momo um facto muito importante e para nós, leitores, uma forma inteligente de nos cativar. A forma como isso nos é transmitido é realmente especial e única.

Tocante, repleto de um humor inocente e cáustico ao mesmo tempo, este livro vale a pena ler. Mesmo!

Terminado em 15 de Janeiro de 2015

Estrelas: 6*

Sinopse

Uma vida à sua frente é narrado por Mohammed, um rapaz árabe de 14 anos, órfão, que vive no bairro pobre de Belleville com Madame Rosa, prostituta reformada e sobrevivente de Auschwitz. Publicado em 1975, o livro teve êxito imediato: vendeu milhões de exemplares em todo o mundo, foi traduzido em mais de vinte línguas e adaptado para o cinema num filme com Simone Signoret. Nesse mesmo ano, recebeu o Prémio Goncourt.

1 comentário: