Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

"Sobrevivi ao Holocausto" de Nanette Blitz Konig

Nunca tenho a sensação de ter lido demasiados livros sobre o Holocausto e quando, ainda por cima, eles constituem um retrato verídico isso torna-se mesmo impossível!

Ainda fico perplexa ao verificar como quem sobreviveu ao Holocausto conseguiu recuperar as suas vidas e ler como essas pessoas conseguiram arranjar coragem para superar os seus traumas, leva-me a ler avidamente todos estes relatos vividos e sofridos pelos sobreviventes dessa carnificina!

Pouco tenho a acrescentar ao que tenho vindo a comentar sobre estes livros com esta temática. Sinto que tenho sempre de intercalar com algo mais fictício, até mesmo com romances mais leves, mas volto sempre a esta época pois nunca deixo de me surpreender e de me questionar como agiriamos nós se tivéssemos vivido aí... É que foram tantos a condenar, a julgar e a delatar! Nomes como Adolf Hitler, Irma Grese, Fritz Klein, Josef Kramer e Josef Mengele traduzem o que de pior o ser humano pode ser e fazer. Mas estas pessoas não agiram sozinhas. Como agiriamos nós se lá estivéssemos? Como agimos nós hoje para tantos problemas semelhantes?

Nanette Blitz Konig, vive hoje no Brasil. É Holandesa, tendo nascido em Amesterdão. Colega de Anne Frank, partilhou com ela alguns momentos terríveis em Bergen-Belsen. Tinha 16 anos quando foi libertada e pesava 31 kilos. A sua história é para ser partilhada, para que nunca o mundo esqueça o que se passou.

Fiquei surpresa quando Nanette refere o quando a posição do pai conseguiu "comprar" um lugar numa lista de judeus que eram menos maltratados do que os restantes. Basicamente essa posição de privilégio era praticamente nada mas isso fez toda a docefença para que ela pudesse aguentar um pouco mais... A ideia geral era que os judeus não eram nada e como " nada" se deveriam sentir.

Mas, mesmo depois da guerra ter terminado, a vida difícil não tinha acabado ainda. A Europa do pós-guerra não foi de todo cordial para com os sobreviventes e isso está retratado em todas as dificuldades que Nanette passou para conseguir uma vida estável e melhor. Sem estudos, sem dinheiro e sem saúde. Como tantos outros, Nanette teve de recomeçar quase do nada.

Leiam que vale a pena!

Terminado em 21 de Dezembro de 2015

Estrelas: 5*

Sinopse

Como sobreviver a um campo de concentração? Estaria essa sobrevivência condicionada ao acaso do destino? Em um emocionante relato, Nanette Blitz Konig conta a história de um período em que ela e milhões de judeus foram entregues à própria sorte com a mínima chance de sobrevivência. Colega de classe de Anne Frank no colégio, Nanette teve a juventude roubada e perdeu a crença na inocência humana quando esteve diante da morte diversas vezes – situações em que fora colocada em virtude da brutalidade incompreensível dos nazistas.
Hoje, aos 86 anos, Nanette vive no Brasil e expõe suas lembranças mais traumáticas aos leitores. As cenas vivenciadas por ela fizeram os mais experientes oficiais de guerra, acostumados a todos os horrores possíveis, chorarem ao tomar conhecimento. Em uma luta diária pela sobrevivência, Nanette deveria suportar o insuportável para manter-se viva. Através de um depoimento ao mesmo tempo sensível e brutal, ela questiona a capacidade de compaixão do ser humano, alertando o mundo sobre a necessidade urgente da tolerância entre os homens.

1 comentário: