Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

"O Homem de São Petersburgo" de Ken Follett

Depois de ler Os pilares da Terra e O Mundo Sem Fim fiquei fã incondicional de Ken Follett! A sua escrita empolgante que mescla factos e personagens verídicos com personagens fictícios mostrou-me como um bom escritor pode ensinar, inventando toda uma trama baseada muitas vezes em factos reais. Ken Follett é perito em multiplos estílos: saltar do thriller para o romance histórico, do policial para o romance romântico. Adoro isso! Acho-o muito completo como escritor, não se conseguindo pegar num livro seu e largá-lo por falta de interesse.

Comecei a ler este livro "às cegas". Não li a sinopse, não li comentários.

Mergulhei rapidamente em Inglaterra numa época antes da Primeira Guerra. O movimento das Sufragistas e as suas lutas, as actividades dos anarquistas, a educação dada às meninas pertencentes a uma nobreza rica e que vivia da aparência e que as mantinha na completa ignorância No que diz respeito quer ao sexo, como até como viviam os extratos sociais mais baixos, a toda uma política interna e internacional que se vivia na época, tudo está aqui bem caracterizado e com personagens muito credíveis.

Gostei muito do Epílogo. Insere o leitor, caso dúvidas houvesse, no contexto histórico e remata belissimamente com a vida das personagens e com o que lhes aconteceu. Tão bem que me levou a perguntar se elas não teriam realmente existido!

Recomendo muitíssimo esta leitura. Um livro que pode ser lido pelos amantes de thrillers, de romances históricos e de romances românticos também!

Terminado em 27 de Dezembro de 2015

Estrelas: 5*+

Sinopse

Nas vésperas da Primeira Guerra Mundial, a Inglaterra prepara a defesa contra o Império Alemão. Ambos os oponentes precisam de se aliar à Rússia. O príncipe Orlof, sobrinho do czar Nicolau II, viaja para Londres, onde se encontra com Lorde Walden, casado com a sua tia Lydia. O anarquista russo Kschessinky segue-lhe no encalço. Nesta intrincada trama de interesses pessoais e políticos, ninguém prevê que Lydia reconheça Kschessinky, colocando em perigo a vida da sua filha Charlotte. Estas personagens jogam com o destino da Europa na antecâmara de um dos mais devastadores conflitos de sempre. Mais um romance empolgante de Ken Follett.

Para mais informações sobre este livro, ver Editorial Presença aqui.

1 comentário:

  1. Um dos livros que mais gostei de Ken Follett. A história e as personagens têm tanto para explorar, e concordo, é um livro que pode agradar a fâs de diferentes géneros literários :D

    ResponderEliminar