Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

"Um Momento Meu" de Paulo Caiado

Um livro para se ler devagar, este. Como devagar foi o percurso que Lucas, o personagem principal também o narrador, ao passar por um processo de divórcio. A sua vontade de viver algo diferente levou-o a desejar uma vida plena de significado, muito embora me parecesse que nem ele próprio sabia bem o significado disso...

Com o divórcio uma realidade diferente surgiu na vida de Lucas. Sentimos nesta leitura, não sei se correctamente, que muitas das suas interrogações foram as do próprio autor. Das conversas entre amigos surgem considerações sobre a separação, o ciume, a solidão, a amizade, o perdão e, inevitavelmente, sobre o amor. Também aqui se nota o "dedo" do autor, como se as reflexões fossem as suas próprias, como se tudo tivesse sido sentido primeiro e só depois pensado para os personagens.

A história é simples. As voltas que o amor dá. As voltas que a vida dá. Mas gostei. Talvez tivesse tido uma leitura mais fluída se as conversas entre esse grupo de amigos fossem mais breves. Mas, por outro lado, percebo que os temas tratados se predispusessem a tal.

Terminado em 22 de Setembro de 2015

Estrelas: 4*

Sinopse

Amigos desde sempre, Lucas, Marcos, Mateus e João chegaram à casa dos 40, com tudo o que isto tem de bom e de menos bom: a maturidade e a experiência, mas também a insegurança em relação às decisões a tomar para o futuro e a angústia quanto à aproximação dos 50.
Este romance é, quase na íntegra, narrado por Lucas, o personagem que, no fundo, reúne um pouco de todas as características dos quatro amigos: a costela marialva de Marcos, a introspecção de Mateus e a objectividade de João. Com grande sensibilidade e franqueza, Lucas descreve as suas vivências e as do seu grupo de amigos e amigas, questionando-se e questionando-as.
Um Momento Meu relata com genuinidade o passado e o presente de homens e mulheres nascidos nos anos 1960 que, a caminho do meio século de existência, ainda buscam para o seu futuro a felicidade plena ou, pelo menos, um equilíbrio entre a rotina e momentos felizes. É o retrato de uma geração que irá trazer recordações e provocar e lágrimas a todos aqueles que a ela pertencem.

Sem comentários:

Enviar um comentário