Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

"Espero Por Ti em Luanda" de Rui Calisto

Não sei se esta história é veridica. Pareceu-me que, no seu essencial, reproduz com nitidez uma altura que muitos querem recordar e muitos outros, esquecer.

Rui (Calisto?) era um menino brasileiro, de apenas nove anos, que foi visitar familiares a Luanda. Num espaço de pouco mais de um ano viveu e creceu muito rapidamente. Apaixonou-se como as crianças o sabem fazer, com intensidade. Pela terra e pelas gentes da terra. Viveu dias de paz e de guerra. De amor e de sofrimento. E é pelas suas palavras que entramos na capital e vivemos com eles esses momentos.

Lembro-me que muitos diziam que África era um amor à primeira vista! Os tons e as pessoas mesclavam-se com os sabores e cheiros e fundiam-se num só. Quem chegava não queria mais partir. Era a terra de quem lá nascia e de quem chegava. As portas abertas, a confiança e a alegria espelhadas nas gentes.

Não sei se esta história é verídica mas isso tampouco importa. Revi-me nela em muitos aspectos. Isso sim fez a diferença. Fez-me recordar os cheiros e os sabores de uma Angola que não esqueci e que guardo no meu baú das recordações de menina.

Li quase tudo num dia, acabei na madrugada do dia seguinte. Não usei velas para acaber a leitura noturna, como Rui fazia em tempo de guerra, nem li debaixo da cama, tal menino com medo dos tiros de metralhadora. Mas li a pensar nisso...

Terminado em 2 de Agosto de 2015

Estrelas: 5*

Sinopse

Aos nove anos de idade, Rui vive um drama intenso. Corria o ano de 1974, e a radiosa e próspera Luanda transforma-se num inferno. Milhares de portugueses são ameaçados pelas guerrilhas, sentindo as suas cabeças a prémio. Muitos são assassinados. O menino é obrigado a crescer.
No meio deste terrível cenário, surge uma elegante e terna morena de olhar intenso, que o vai fazer perder-se de amores.
Poderá um coração apaixonado manter-se vivo entre as tormentas da guerra?s

Sem comentários:

Enviar um comentário