Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 18 de março de 2015

"A Casa das Rosas" de Andréa Zamorano

Começando por um primeiro capítulo que nos deixa em choque e intrigados porque não o entendemos na perfeição, esta obra prende de imediato.

As primeiras páginas decidem muitas vezes a disposição que tenho perante um livro: ou devoro-o ou vou lendo mais calmamente. Neste caso não houve dúvidas. As páginas passaram a voar, tanto mais que o primeiro narrador, fazendo um relato na primeira pessoa, introduz um mistério que me deixou curiosa. No final, desvendado que estava, fui reler as duas primeiras páginas. Gostei de o fazer. Pormenores que se encaixaram, pequenas peças que fizeram todo o sentido.

Alternando de narrador, de espaço temporal e até de assunto, por vezes na mesma página, sem que o leitor se perca na leitura, este livro é uma delícia. Mistura também ficção, algo mágica, com pequenos eventos verdadeiros que nos são explicados em notas de pé de página.

A trama passa-se no Brasil, mais propriamente em São Paulo, por volta de 1983. A sinopse é suficientemente elucidativa, sem que avance pormenores e conte a história, pelo que aconselho a sua leitura. Uma mãe que se separa da filha, sem sabermos porquê, um pai tirano/amoroso (demais?), um bicho que fala, um mistério por desvendar...

Recomendo vivamente esta leitura. Gostei muito e não fora a quantidade industrial de livros em lista de espera, teria todo o gosto em lê-lo de novo. Iria certamente encontrar novas forma de me enfeitiçar pelas palavras da autora, que desconhecia, e que talvez possa encontrar por aqui na capital... (A autora é brasileira e mora entre nós há muitos anos possuindo um espaço de restauração). Leiam, se puderem!

Terminado em 13 de Março de 2015

Estrelas: 5*

Sinopse

Esta é a história extraordinária de Eulália, uma jovem da classe média de São Paulo. Os inusitados acontecimentos que marcam a sua vida nesse período épico da vida brasileira, entre 1983 e 1984 (a campanha das eleições diretas, marco no combate pela democracia), vão transportar o leitor para um mundo onde realidade e fantasia coexistem e se entrelaçam. Ao longo dessa história, haverá uma mãe desaparecida, um vestido de noiva, um detetive solitário, um jardineiro que sabe demais, um deputado poderoso, um perfume de rosas, uma fuga através da cidade em chamas, um animal que fala, um fantasma que aparece e desaparece, um poeta mexicano que só mais tarde irá surgir nos livros de Roberto Bolaño, um português dono de um boteco em São Paulo - e um final empolgante e inesperado.
A estreia de uma autora brasileira a viver em Portugal há longos anos.
O cruzamento de duas ortografias da mesma língua.

Sem comentários:

Enviar um comentário