Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

"Serpentina" de Mário Zambujal

Quando leio um livro de Mário Zambujal sei o que espero e tenho-o como garantido! Um livro com uma história divertida, cheio de humor e pequenos detalhes que me fazer sorrir amiúde!

Foi assim com "Histórias do Fim da Rua" e "Cafuné".
Foi assim com "Serpentina" também! Bruno D. L. Bracelim é o personagem principal e narrador desta divertida história. Criança enferma e débil, foi criada com a madrinha, senhora rica e de posses. Os pais emigraram para um tal de estrangeiro com o irmão. As peripécias por que passa posteriormente e o discurso muito sui generis adotado pelo autor fazem-nos encarar esta divertida história de uma forma leve mas, ao mesmo tempo, surpreendente, transformando uma história simples em algo especial.

Creio que fica demonstrado, mais uma vez, que as palavras possuem um poder inaudito. É a forma de as colocar no papel que estabelece a diferença entre um romance banal e um especial. Mário Zambujal escolhe-as com mestria, revelando um humor subtil que me encantou verdadeiramente.

Escrevendo estrangeirismos em português, como é o caso de "pê-jota", "imeile", "tualete", "pê-esse-pê", faz-nos sorrir frequentemente. A boa disposição é uma constante neste livro! Era  essa a intenção do autor? Objectivo amplamente atingido!

Terminado em 4 de Outubro de 2014

Estrelas: 5*

Sinopse

Para Mário Zambujal, o mais importante é saber que os leitores se divertem com os seus livros. É nisso que se concentra quando agarra na caneta e se põe a imaginar peripécias, enredos e personagens. Serpentina não fugiu à regra e arrisca-se a ser o romance mais divertido do ano.
Nele acompanhamos as reviravoltas na vida de Bruno Bracelim - primeiro a partida da família para o Canadá, quando ainda menino, e depois um acidente de trânsito, já em adulto - e divertimo-nos com as situações armadilhadas de um destino tão imprevisível quanto animado.
Num estilo inconfundível, eis um supremo divertimento em que a imaginação e o humor se entrelaçam com a reflexão e a emoção.

Sem comentários:

Enviar um comentário