Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 19 de agosto de 2014

A Convidada Escolhe: Ínclita Geração

Romance histórico que empolga o leitor do princípio ao fim, numa escrita fluida e agradável, tem como figura principal Isabel de Avis única filha de D. João I e de D. Filipa de Lencastre. Após a morte de sua mãe acompanhou seu pai no governo da nação ocupando durante anos o lugar de rainha de Portugal. Ao casar com o poderoso Duque de Borgonha, uma importante aliança para Portugal, levou para a corte de Filipe III, "O Bom", todo o saber adquirido como governante o que representou uma mais valia que o duque sempre soube utilizar a favor do ducado.
Isabel de Avis levou o mundo a conhecer Portugal e, embora longe, sempre acompanhou os acontecimentos do seu país, intercedendo junto do duque seu marido, para que apoiasse os projetos da expansão que então dava os seus primeiros passos. Os financiamentos a Portugal e as rotas de comércio foram implementados consideravelmente. Seus irmãos, figuras marcantes da história de Portugal, nem sempre se entendiam e a duquesa que mantinha grande influência junto deles apressava-se a interceder. Recebeu sempre com determinação todos os seus sobrinhos quando perseguidos em Portugal em época de tumultos e divisões. Isabel de Borgonha mulher forte e muito inteligente, que se destacou na Europa do século XV, que vivenciou tempos de guerra e grandes conflitos, que teve papel preponderante em alianças quer com a França quer com a Inglaterra, que intercedeu junto do Papa a favor de Joana D’Arc, não foi completamente feliz no casamento já que o duque lhe era constantemente infiel e tinha um número elevado de filhos naturais. Das três crianças que teve só uma sobreviveu tendo sucedido a seu pai como duque da Borgonha. Não tendo sido amada como durante muito tempo esperou, foi admirada e soube tornar-se indispensável junto do duque e sobretudo nunca esqueceu sua família nem que era uma princesa de Avis. Sofreu imenso com o cativeiro de seu irmão D. Fernando e todas as diligências que providenciou para o salvar não obtiveram êxito.
Esta obra que apreciei bastante dado o seu grande equilíbrio entre o histórico e a face humana das personagens, acompanha a história de Portugal e da Europa durante o século XV, está baseada numa riquíssima bibliografia e inclui 12 extratextos muito interessantes e sobretudo debruça-se sobre uma mulher muito interessante tanto do ponto de vista pessoal como político.
Maria Fernanda Pinto

Sem comentários:

Enviar um comentário