Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quarta-feira, 2 de julho de 2014

"Infância Roubada" de Josephine Cox

Para aqueles que gostam de um romance onde a emotividade está à flor da pele, este livro é perfeito. Centrando-se numa criança e no ambiente violento que a cerca, a autora soube criar os ingredientes para prender a atenção do leitor. Adam vive aterrado, em permanente sobressalto. A violência a que ele e sua mãe são sujeitos descompensa-o por completo e o seu olhar e expressões corporais traduzem claramente o seu terror.

Paralelamente vamo-nos apercebendo que o pai de Adam fez mais vítimas. Anne sofre do mesmo medo. Sente-o da mesma forma. O terror invade-a só de pensar no que ja viveu.

Estas duas histórias são-nos contadas intercaladamente, mantendo-nos atentos. Adam é quem mais nos atrai, pela sua tenra idade mas também pela sua forte determinação.

As personagens secundárias destas duas histórias paralelas são bastantes e, talvez por isso mesmo, fica algo por contar. Apaixonam-nos pelo seu carácter recto, firme e bondoso. Por essa razão queremos saber mais das suas vidas e somos levados a pensar que umas páginas a mais, neste livro, seria perfeito. Sabermos mais das suas vidas, que percurso tiveram, seria o desejavel. Isso fica por contar, com pena do leitor.

Terminado em 28 de Junho de 2014

Estrelas: 4*

Sinopse

Edward Carter é um homem cruel e violento, habituado a instilar o medo em todos aqueles com quem se cruza e a dirigir com pulso de ferro as vidas da sua mulher e do seu filho.
Peggy é uma mulher meiga e tímida. Com o passar dos anos, aprendeu a não contrariar o marido. Sabe que enfrentá-lo só piorará a situação, a ponto de fazê-lo perder a cabeça e cometer uma loucura contra ela ou contra o filho de ambos. Para proteger o filho, não resta outra opção a Peggy senão a de subjugar-se ao homem perigoso que tornou as suas vidas um verdadeiro pesadelo.
Introvertido e sem amigos, Adam é um menino receoso: não por si, mas pela mãe. Temendo que tudo o que faça desperte a ira do pai, Adam não vive como a criança que é.
Phil é um homem de natureza bondosa e de princípios. Conduz o autocarro escolar e é o único amigo de Adam.
Num final de tarde, após o regresso da escola, Phil e Adam deparam-se com uma tragédia chocante, que forjará uma amizade indestrutível, nascida da mais profunda dor.
Uma história de perda, mas também de grande companheirismo e da longa e solitária viagem de um rapaz na redescoberta do sentido de família.

Sem comentários:

Enviar um comentário