Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

domingo, 22 de junho de 2014

Ao Domingo com... Rui Teixeira

Portanto, no princípio era o Verbo. E o Verbo se fez luz, e sombra, e cores e cheiros, e gente-gente, e gente-bicho ou bicho-gente, um Universo inteiro nas histórias que contavam os mais velhos. E havia livros que ilustravam as histórias. E amigos de verdade. E outros, imaginários, que repetiam e a quem repetia as histórias ouvidas. E os personagens das histórias misturavam-se e invadiam outros enredos e medravam, e novas histórias daí se criavam. E havia, ubíquos, o Bem e o Mal. E havia uma Moral, e o Bem ganhava sempre.
      E o Verbo eram letras e palavras que ganhavam forma e permaneciam, e foi estreada uma caneta nova no exame da quarta classe, e escreviam-se cartas onde se partilhavam alegrias ou tristezas, e afectos.
      A Guerra mostrou o valor da Paz, a Paz aplacou os horrores da Guerra, as histórias falavam de gente que se confundia com bichos e de bichos que se comportavam como gente.
      E uma pessoa, um escritor, foi à sala de aula mostrar Um Girassol Que se Chamava Beatriz. e a pessoa, que se chamava Eduardo, não escrevia com maiúsculas a seguir à pontuação, e ensinou que o sonho e a capacidade de despertar emoções se sobrepõem à regra. E o Mundo foi minguando, um livro era uma janela por onde fugia a Cem Anos de Solidão e o mundo era mais pequeno que o coração que, por crescer, às vezes doía. Um Saramago, chamado José, levantou-se do chão para contar outra História do Cerco de Lisboa e mostrou que não há apenas uma verdade e que esta pode ser corrigida e deve ser procurada no coração. E o mundo não voltou a ser o mesmo.

      A Escola deu lugar à Vida, ainda que seja vida aquela e não deixe esta de ser uma escola e as histórias quiseram confundir-se com a própria vida. E um homem chamado Pepetela começou um livro por portanto, e escreveu sobre uma Geração que se deixou manietar pela vida, abandonado a Utopia de ser e fazer diferente e melhor.
      E fizeram-se dois mundos, o de-lá-de-fora, onde acontecia a vida, e o de-cá-de-dentro, onde habitava o sonho e onde as vozes de outrora contavam novas e velhas histórias. O mundo de-cá-de-dentro cresceu até ser uma sala com estantes e livros, e cadernos e lápis. E um computador, que é uma porta entre os dois mundos. E, um dia, as novas histórias já não cabiam no mundo de-cá-de-dentro e forçaram a saída para o de-lá-de-fora e assim nasceu um Camaleão que é uma janela para uma vida com vidas dentro, numa viagem que se inicia em Angola, assiste ao estertor do império e desagua num Portugal novo. Como um velho e esquecido baú que, uma vez aberto, revela memórias, emoções e sentimentos de um menino que, enquanto cresce, se metamorfoseia para se manter ligado a um Mundo que se revolve e transforma de forma suave e quase imperceptível, por vezes, ou rápida e violentamente, por outras. 

Rui Teixeira

5 comentários:

  1. "E, um dia, as novas histórias já não cabiam no mundo de-cá-de-dentro e forçaram a saída para o de-lá-de-fora e assim nasceu um Camaleão (...)". E tantas ainda por brotar, pois as sinto fervilhar... solta-as... há tanto por contar do mundo aí-de-dentro.
    Abraço no coração.

    ResponderEliminar
  2. Soltaste o Camaleão e assim que saiu, corri a lê-lo. Devorei-o, ansiando que as páginas não acabassem. Agora aguardo novas aventuras, que estarão à espera de uma oportunidade, para saltar cá para fora. Por ora, estou atenta... às tuas palavras! Até já...

    ResponderEliminar
  3. BONITO!! sou uma priveligiada por ter amigos assim!! Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Somos todos camaleões nesta vida e eu, depois de ler "este", sinto que compreendo melhor, este mundo de convulsões permanentes ... forte abraço deste teu fã n. UM ..

    ResponderEliminar
  5. Somos todos camaleões ... quem não tem que se adaptar à vida ?!...

    ResponderEliminar