Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 26 de maio de 2014

"Memórias de um Amigo Imaginário" de Matthew Dicks

Original, cativante e comovente! Seriam estas as palavras que escolheria se tivesse de adjectivar este livro.

O narrador é um menino imaginário, Budo de seu nome. Não existe para os outros a não ser para o seu criador: uma criança autista. Tentando manter uma escrita divertida, inocente até, vamo-nos apercebendo das pequenas dificuldades por que passa o pequeno Max e também quem o rodeia, seus pais e professores. Subtilmente, com uma escrita fluída mas simultaneamente quase infantil, vamo-nos prendendo a este enredo aparentemente simples. Sentimo-nos "dentro" de Max, dos seus pensamentos, das suas dificuldades., através do seu amigo imaginário, Budo.

Budo é um amigo imaginário muito completo. Max imaginou-o assim, igual a um menino de verdade. Budo encontra outros amigos imaginários bastante diferente dele. Tal como foram imaginados pelos outros meninos. Budo vê o mundo que o rodeia com a inocência das crianças mas sabe que Max tem algumas particulariedades que o tornam aos olhos dos outros um menino "diferente". Na escola vive isolado, sem amigos. Em casa, apesar do amor que os pais lhe têm, é-lhe pedido mais e mais... Mais do que Max consegue dar. A vida e existência de Budo está dependente de Max. Até quando é que ele vai continuar a acreditar que Budo existe de verdade?

Perante uma situação de emergência, Budo hesita: deve ajudar Max, incitando-o para que tome as suas decisões ou deixá-lo manter-se "no mundo do faz de conta", não fazendo perigar a sua curta vida de amigo imaginário? A verdadeira amizade toma aqui proporções intensas: até que ponto pensamos mais no nosso amigo do que em nós próprios?

Uma história que atrai os nossos sentidos, levando-nos, de surpresa em surpresa, a reflectir sobre o que vale a pena nesta vida. Realmente.

Terminado em 22 de Maio de 2014

Estrelas: 5*

Sinopse

O meu nome é Budo. Existo há cinco anos. Cinco anos é muito tempo para alguém como eu. Foi Max quem me deu o nome. Max tem oito anos. Max é o único ser humano que consegue ver-me. Sei aquilo que Max sabe e algumas coisas que não sabe. Sei que Max corre perigo. E sei que sou o único que pode salvá-lo." Uma calorosa história de amor, lealdade e poder de imaginação; um romance perfeito para quem já teve um amigo - verdadeiro ou não.

Sem comentários:

Enviar um comentário