Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

domingo, 3 de novembro de 2013

Ao Domingo com... Raquel Serejo Martins

Uma definição.
Sou coisa de difícil explicação!
Um gosto e um desgosto.

Talvez por ser transmontana, possível porquê, gosto do Inverno, a lenha a crepitar na lareira, a água a apitar na chaleira, o chá a fumegar na chávena, o aconchego dos gatos, os cachecóis, os gorros.
Não uso gorro e tenho três boinas.
E, não gosto do Inverno, o frio, as chuva, os ossos, apesar de, na minha balança pesam toneladas, em bicos de pés fingindo leveza, umas irreprimíveis saudades da neve e da poesia das amendoeiras em flor.
Saudades da neve, afogo-as no mar, e porque pesadas vão ao fundo num ápice.
Viste?
Não, não vi.
Pois é!
Da música, o samba, o jazz, a ópera, o fado, a clássica, que o mesmo é dizer, Buarque, Holly Cole, Callas, Camané e Bach.
Dos pássaros, andorinhas, gaivotas e corvos.
Da dança o flamenco e a Bausch.
Da arquitectura o Siza, o Corbusier, o Niemeyer, o Mies.
Da pintura a Rego, o Pomar, o Amadeo, o Manta, os impressionistas em que Caillebotte o preferido.
Da fotografia Robert Capa, Gérard Castello-Lopes, Imogen Cunningham, Eduardo Gageiro, Alberto Korda, só na secção a preto e branco.
Do cinema, os realizadores, tantos, Isabel Coixet a última a entrar para a lista dos preferidos, os actores, ainda mais, pelo que vou dizer nome nenhum.
Dos livros, percebo que com o tempo construí uma geografia óbvia, os latinos, os mediterrânicos, os sul-americanos.
Um desgosto, mousse de chocolate, gostava muito, deixei de gostar.
Um desgosto a sério, a morte do meu pai.

Deste livro.
Pouco consigo dizer porque mais de ler e sentir.
O fim de uma vida ou uma vida inteira.
O passado perfeito.
Talvez as intermináveis tarde da infância, onde sempre Verão e a vida cheia de vida, em inauguração, a tesoura a cortar a fita a cada primeira vez.
As memórias, como se um berço, um útero.
O presente com defeito.
O corpo em Outono, em Inverno, em hibernação.
O inventário dos afectos.
O medo, o cansaço, a curiosidade, a fé.
Ou fé nenhuma.
Apenas o fim. 



Raquel Serejo Martins

Sem comentários:

Enviar um comentário