Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

A convidada escolhe..."Um casamento de Natal"


Às vezes um livro, ao surpreender-nos de uma forma positiva, tem um efeito em nós avassalador. Uma frase pode ter, num dado momento da nossa vida, um significado muito pessoal que faz com que ele seja lido avidamente... (Cris)

Acontece-me por vezes, e acho que acontece a vários de nós, ler um livro só porque sim… só porque achamos uma capa apetitosa… só porque alguma palavra no título nos seduz… só porque… ou por razão nenhuma em especial.

Por vezes também o faço por espírito de contradição… ou porque alguém me diz “nunca te veria a ler esse livro”… confesso…

Um Casamento no Natal congrega várias dessas opções. Um livro leve, que me apeteceu ler depois de outros que, não sendo densos, tinham, porém, temas que mexem muito comigo. Sabe bem ler algo só porque sim, para distrair o espírito.

De qualquer modo, cada livro traz-nos o que nós queremos ver nele e, até os mais leves nos recordam temas e assuntos importantes.

Neste livro realço sobretudo dois temas cuja abordagem gostei bastante – a importância da manutenção dos nossos valores acima de tudo (neste caso do sucesso profissional) e uma das mais belas descrições sobre a leitura e porquê ler.

Um Casamento no Natal lê-se de um só fôlego e não é certamente uma pérola da literatura, mas é um livro que dispõe bem e que, dependendo da nossa fase de vida e dos olhos com que o lemos nos poderá enriquecer de forma diferente.

A história de Gaby, da sua relação com a memória do marido, do seu relacionamento com cada um dos seus quatro filhos, as suas singularidades e as respectivas famílias, e dos três candidatos a maridos, que apenas no altar saberão quem é o escolhido, flui através dos valores fundamentais.

Não sendo um livro que considere indispensável ou que recomende vivamente não deixo de dizer que merece a pena ser lido, sobretudo em idades mais maduras J.

Um livro que se lê “tanto com o coração como com o cérebro” (p. 90)

Fernanda Palmeira

1 comentário:

  1. Concordo em absoluto com a Palmeirinha!
    Beijinhos ás duas :)
    Teresa Carvalho

    ResponderEliminar