Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Uma morte súbita de J.K.Rowling

As palavras são algo de imprevisível! Às vezes surgem em catadupa, tão rapidamente que me é difícil ordena-las, segura-las... Outras, teimam em manter-se fechadas, como que aprisionadas no interior dos pensamentos e é necessário uma resolução mais forte para que elas se soltem e se libertem...

E as palavras, depois desta leitura, ficaram presas, confinadas a um espaço interior e foi com dificuldade que se foram soltando. Já explico porquê!

Tinha grandes expectativas em relação a qualquer livro que esta autora escrevesse porque li todos os "Harry Potter", muito depois de o meu filho mais velho os ter descoberto. Aliás, a sua entrada no mundo dos livros deveu-se à Jo que teve o mérito de o fazer descobrir o prazer de ler livros "gordos", andava ele pelos seus 8 anos.

Logo, e voltando às minhas expectativas, seria muito difícil superar esse deslumbramento que senti aquando da leitura desses livros cheios de uma magia toda especial. Confesso que não posso afirmar  que elas foram realmente superadas. O que me pareceu no início (e no meio também) um livro morno (com descrições das situações e personagens bem definidas e feitas por uma muito boa observadora, é certo!) passou nas páginas finais, para um mergulho no que caracteriza, a meu ver, a escrita de J. K. Rowling: uma confluência de situações com uma intensidade dramática e cheias de acção! Esta mudança repentina, levou-me às lágrimas e a uma tensão inexplicável que me deu um prazer súbito e inesperado.

E agora? Como conseguir classificar entre 4 (bom) e 5 (muito bom)? Fica ao vosso critério... leiam e vejam do que falo com os vossos próprios olhos e sentidos.

Terminado em 8 de Dezembro de 2012

Estrelas: 4*

Sinopse


Uma Morte Súbita é o primeiro livro para adultos de J. K. Rowling, a mundialmente famosa «mãe de Harry Potter». Acolhido com enorme expectativa, este surpreendente romance sobre uma pequena comunidade inglesa aparentemente tranquila, Pangford, começa quando Barry Fairbrother, o conselheiro paroquial, morre aos quarenta e poucos anos. A pequena cidade fica em estado de choque e aquele lugar vazio torna-se o catalisador da guerra mais complexa que alguma vez ali se viveu. No final, quem sairá vencedor desta luta travada com tanto ardor, duplicidade e revelações inesperadas?
Um livro a não perder.






2 comentários: