Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Deixa-me entrar na tua vida de Margarida Fonseca Santos


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 212
Editor: Clube do Autor
ISBN: 9789897240317

Há livros em que ao pegar neles já sei de antemão que vou gostar. Pela autora e sua forma de escrever que já conheço mas que sinto que me vai surpreender de novo. 

Entre doces e salgados que pretendia fazer na véspera de Natal, agarrei-me a ele e, num dia de confusão, consegui ter o tempo que precisei para me embrenhar nesta leitura de uma forma intensa. 

Intensos são, de igual forma, os diálogos que possui e o tema tratado não deixa ninguém indiferente. Mesmo que não tenhamos vivido situações semelhantes às descrita aqui. O tema do alcoolismo mexe com os nossos sentimentos e Margarida Fonseca Santos pegou nele com uma mestria que já esperava. 

Conseguimos entender as várias faces deste problema terrível! A negação constante de quem é alcoólico mas que acha que tem domínio sobre si próprio; o ponto de vista de quem está ao lado dessa pessoa e que quer, através do amor, ajudar sem o conseguir fazer; e quem, sendo alcoólico, consegue resistir e vencer essa doença, ultrapassando-a dia a dia.

Três personagens caracterizados de uma forma espectacular num drama que vive a paredes meias com a nossa vida, muitas vezes escondido e camuflado. Um livro que aconselho vivamente a ler, que se devora em poucas horas mas que reflecte, certamente, muitas horas de dor e sofrimento!

Terminado em 24 de Dezembro de 2012

Estrelas: 5*

Sinopse


Este é um livro sobre a inquietude da realidade, a dor da perda e a coragem para perseguir os sonhos.
Duas mulheres vivem separadas por uma parede, mas unidas pelo sentimento de perda, pelos laços familiares e por um hall comum. Luísa não quer perder alguém que se destrói, dia após dia, através do álcool. Alda atravessa a vida envolta numa perda da qual não se consegue libertar, que não quer perder, talvez. Duarte acompanha-as, de fora mas querendo entrar, observando sem poder agir, espartilhado, também ele, naquilo que pode vir a perder. Esta é a história de três pessoas, três vidas entrelaçadas, três formas de lidar com a vida, os desgostos e os desafios.



3 comentários:

  1. Cristina, muito obrigada pela sua leitura, pelo carinho pela minha escrita, pela crítica. É tão bom saber que se chegou ao leitor assim!
    Deixo-lhe um grande beijinho, Bom Ano - o meu já começou bem por sua causa...

    ResponderEliminar
  2. Olá Margarida! Nao se esqueça de me avisar qd escrever o próximo... Vou querer ler certamente! Bjs

    ResponderEliminar