Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Catarina, a Grande de Sílvia Miguens


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 308
Editor: Casa das Letras
ISBN: 9789724621296

Embora a capa seja muito sóbria e não tivesse atraído grandemente a minha atenção, a vida da imperatriz russa que foi considerada por muitos como déspota, captou o meu interesse.

Gostei mais da primeira parte do livro onde nos é contado, em primeira mão, a sua infância, adolescência e os acontecimentos que levaram à sua coração. Mais uma vez, a vontade dos pequenos príncipes não era tida em consideração, se bem que Catarina (Figchen, como era conhecida) desde cedo mostrou vontade em obedecer e futuramente governar o Império Russo.

Os seus amores, enquanto czarina, ou melhor, os seus escândalos amorosos foram proporcionais às suas conquistas e ao forte desenvolvimento do Império Russo. Uma vida que gostei de conhecer mas que não pude deixar de criticar!

Uma vida que nos causa alguma estranheza pois os costumes familiares de então não podem ser mais diferentes daqueles que, hoje, são tidos como referência. O amor entre pais e filhos é algo que é relegado para segundo plano em prol de interesses palacianos. E é em prol desses mesmos interesses que a "cama" da czarina é habitada por muitos dos seus admiradores...

Um livro que se lê rapidamente. Possuidora de uma escrita fluída, a escritora sabe prender-nos nesta leitura mesmo que os factos narrados nos causem alguma estranheza, como já referi.


Terminado em 23 de Dezembro de 2012

Estrelas: 4*

Sinopse


Em 1762, o czar Pedro III é alvo de uma conspiração, acabando por morrer. A sua mulher, Catarina, sucede-lhe como imperatriz tornando-se, aos trinta e três anos, «Sua Majestade, Catarina II, imperatriz única e soberana de todas as Rússias».

O seu reinado revitalizou a Rússia, transformando-a numa das maiores potências europeias. Os seus sucessos dentro da complexa política externa são sobejamente conhecidos assim como as represálias, por vezes violentas, aos movimentos revolucionários. Conferiu maior poder à nobreza e aos senhores da terra, constituindo o seu reinado o ponto alto da aristocracia russa. Poucas mulheres geraram tanta controvérsia em redor de si como Catarina, a Grande. Inteligente, culta, autoritária, sagaz, apaixonada, grande estratega e envolta em todos os tipos de conspirações da corte, a imperatriz que governou a Rússia com punho de ferro é, sem dúvida, um dos principais intervenientes na agitação política do século XVIII, que mudou a História do Mundo.

Esta emocionante narrativa, que não deixa de fora o rigor histórico, revela as vivências e a intriga palaciana e pessoal da grande imperatriz, a sua peculiar e intensa vida sexual, os seus medos, as suas deficiências e os seus fracassos.

1 comentário:

  1. As grandes personalidades femininas do passado sempre me chamaram atenção...! Estará numa futura wishlist!

    ResponderEliminar