Gosta deste blog? Então siga-me...

Indique o seu email para receber actualizações

Também estamos no Facebook e Twitter

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Não odiarei de Izzeldin Abuelaish


Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 248
Editor: Editorial Planeta
ISBN: 9789896572020

6* para Izzeldin Abuelaish, pela sua história de vida plena de força, coragem e determinação. 

Médico palestiniano que cresceu na Faixa de Gaza, conta-nos como conseguiu vencer num mundo onde tudo lhe era adverso, onde a paz é um mero conceito e não uma realidade e a pobreza uma vivência de todos os dias.

Vivendo numa pobreza quase extrema, num clima de medo e de guerra, Izzeldin cresce aprendendo que a paz e a coexistência entre os dois povos irmãos - Palestinianos e Israelitas - é possível e é um desejo que a maior parte dos civis possui.

A sua vida não é bafejada pela sorte mas aprende a tirar partido das feridas a que é sujeito e não se permite optar pelo caminho mais fácil: o ódio! Em Gaza o medo impera, tudo é proibido, tudo falta, está fechado ou desligado. 

Impressionante este relato de vidas que não julgamos possíveis, de tão diferentes das nossas. Um conflito que ouvimos falar de longe e que este livro ajuda a entender. Ajuda a perceber, também, o quão difícil pode a Paz ser de alcançar, mas também o quão desejada é... 

Um exemplo a seguir o deste Homem que, mesmo depois de sofrer a perda de três filhas neste conflito, se recusa a baixar os braços e a odiar! Um livro obrigatório!

Terminado em 31 de Outubro de 2012

Estrelas: 6*

Sinopse


O doutor Izzeldin Abuelaish - agora conhecido com o "Medico de Gaza" - conquistou corações e parangonas em todo o mundo no rescaldo de uma terrível tragédia: a 16 de Janeiro de 2009, bombardeiros israelitas atingiram a sua casa na Faixa de Gaza, matando três das filhas e a sobrinha.

Como pai de três filhas mortas por soldados israelitas, a sua reação a esta tragedia fez noticia e valeu-lhe prémios humanitários em todo o mundo. Em vez de procurar vingança ou de se abandonar ao odio, apelou ao entendimento entre os povos da região.

A sua esperança mais profunda é que as filhas venham a ser "o ultimo sacrifício no caminho para a paz entre palestinianos e israelitas.


Sem comentários:

Enviar um comentário